(48) 3222-2580

O ICH

O Instituto Carl Hoepcke tem sua gênese diretamente ligada a dois eventos promovidos pela família Hoepcke.
Primeiro, a edição do livro Carl Hoepcke – A Marca de um Pioneiro, lançado na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina no ano de 1999 e, depois, a Exposição Comemorativa Hoepcke/São Francisco do Sul – 100 Anos de História, em 2004, realizada na cidade de São Francisco do Sul, Santa Catarina.

Esses dois eventos reforçaram a importância do rico patrimônio histórico e material ligado à família Hoepcke e o importante acervo documental, mercantil e empresarial gerado a partir das primeiras ações do conhecido imigrante e personagem principal dessa história, Carl Franz Albert Hoepcke, o patrono do Instituto.

A partir daí, com o objetivo de reunir e preservar todo esse acervo criou-se, em 07 de junho de 2004, o Instituto Carl Hoepcke, instalado de inicio em pequena sala de um prédio da Avenida Oswaldo Rodrigues Cabral, centro de Florianópolis.

Em pouco tempo evidenciou-se a necessidade de maiores espaços para abrigar todo o material, que crescia em volume considerável. Objetos, livros, mapas, documentos diversos, fotografias e outras peças de grande significado foram sendo acrescentados, determinando a ampliação do objetivo inicial do ICH.

Entretanto, o simples estudo da história familiar não foi suficiente para dar conta da proeminente figura de Carl Hoepcke. Assim, paulatinamente, ampliou-se o campo de estudo, abrindo-o naturalmente para toda a imigração alemã em Santa Catarina, cenário em que se destaca o Patrono do ICH.

Dotado de forte liderança e de tirocínio invejável, ele desenvolveu, com pioneirismo e dedicação, importante trabalho no cenário comercial e industrial a partir da Capital, abrangendo todo o território catarinense, ultrapassando, posteriormente, esses limites.

A CASA

A sede do ICH, na Avenida Trompowsky, hoje Centro Cultural Ruth Hoepcke da Silva, foi especialmente projetada e construída para servir como residência do casal Ruth Hoepcke e Aderbal Ramos da Silva.
Ela, neta de Carl Hoepcke, era filha única de Anna von Wangenheim Hoepcke e Carlos Hoepcke e herdeira do poderoso conglomerado econômico-industrial Hoepcke.

Aderbal, neto de governador e um jovem advogado que logo daria vazão à sua vocação política, tornou-se também, 10 anos após o casamento, governador do Estado de Santa Catarina.

A construção da residência segue um projeto de linhas simples e funcionais com exterior desprovido de ornamentações. A linha curva aparece em alguns momentos, suavizando a forte predominância e o rigor dos ângulos retos. Com clara influência do modernismo alemão e da escola Bauhaus, a casa é extremamente funcional.

A edificação, com certa monumentalidade, privilegia espaços abertos para fruição da natureza, através de grandes sacadas.

Seguindo o projeto do engenheiro Georg Keller, radicado em Joinville, a construção foi executada pela conceituada empresa do engenheiro suíço Tom Wildi, estabelecido em Florianópolis, cidade onde construiu diversos prédios públicos e também particulares. A construção foi iniciada em 1935 e concluída dois anos depois, alocando serviços e materiais de fornecedores de diversas regiões do Estado e do exterior.

Da construção original, o ICH usa para finalidades administrativas apenas 10% da área total da casa. Aproximadamente 60% do espaço da antiga residência destina-se à visitação pública, sob agendamento, proporcionando-se aos visitantes contato direto com os ambientes mais utilizados pelo casal que a habitava. Nesses ambientes estão preservados os móveis e a decoração originais.